Era uma vez uma farda.

Eu já tinha reparado neles, até já tinha ido uma vez com um amigo lá para os lados da feira de S. Mateus, mas não achei piada, não é que levaram uma tarde inteira a abanar com umas bandeiras uns para os outros! Não, aquilo não era para mim, e além do mais nos sabados á tarde davam os filmes da TVE. E os anos passaram, e eu continuei a reparar neles, muitos e de diversas idades, mas o que mais chamava a atenção não era a quantidade nem a boa disposição, nem mesmo o facto de todos irem a cantar e a dar uns gritos esquisitos talvez noutro idioma. Não, não era isso que mais chamava a atenção. Era a roupa, todos vestiam de igual, tinham uma farda diferente ao que se via por ai, jovem, alegre, com uma especie de autoculantes por todo o lado. Mas atenção, bem aprumados bonito de se ver. Hoje passados mais de vinte anos dessa tarde das bandeiras, não estou arrependido de tambem ter uma farda assim; nem sequer estou arrependido de não ter passado por todas as secções e ter perdido tanta vivência e experiencia como perdi, não estou arrependido porque entrei, tarde mas entrei. E se foi a farda que me puxou cá para dentro, hoje já não sei o que mais me prende aqui, será que o facto da meia duzia de amigos que tenho por vezes usarem uma farda igual á minha é coincidencia? Ou as outras coisas como os acampamentos, a sede (e as mudanças de sede), os miudos e a amizade que se lhe apanha, o estar á roda da fogueira ou dentro dela conforme os gostos, ou o stress das promessas, que geralmente acabam por ser semi-improvisadas. Isto de ser escuteiro é um vicio, começa-se por experimentar e quando se dá conta já não se passa sem ele, e mesmo os que se curam, o bichinho, esse fica para sempre. A farda perdeu peso em comparação com o resto que a vida escutista me deu, não é que tenha deixado de gostar dela, nem eu, nem os outros, e mesmo que alguns que por ai andam se riam de nós e digam que parecemos palhaços vestidos de crianças, no circo da vida meus amigos cada um têm o seu papel. Eu tenho muito gosto em ter esta farda e muito orgulho em ser escuteiro do C.N.E..


2002

publicado por ldcristiano às 16:44 | link do post | comentar